26 de julho de 2011

Alucinação

É conveniente não confundir alucinação com ilusão, dado que nesta o objeto sensorial está presente e é perceptível pelos outros, se bem que o doente o interprete de forma diferente. Existem diversos tipos de alucinação, incluindo-se entre elas as visuais, auditivas, táteis, etc. As auditivas mais correntes tomam a forma de vozes de caráter agradável ou desagradável.

As alucinações apresentam-se, geralmente, em alterações do tipo paranóide, esquizofrenia e nos estados de fome intensa; são também referenciadas com frequência em certas intoxicações por drogas, tal como acontece com a morfina, cocaína e o álcool. Apresentam-se, em geral, pela desvinculação de um grupo de ideias da personalidade normal; estas ideias, no seu curso e desenvolvimento, tornam-se independentes do controlo da personalidade. Quando o indivíduo se confronta com dois sistemas de ideias incompatíveis e contraditórias, surge o problema, evitando o indivíduo ou conflito através da dissociação de um do outro.

Muitas alucinações acontecem como o resultado de um estado fisiológico anormal, como aquele provocado pelo distúrbio da paralisia do sono. A existência de um problema patológico em qualquer ponto de um trajeto nervoso poderá repercutir-se sobre os seus órgãos sensoriais terminais e ser entendido como se fosse um estímulo normal.

2 comentários:

  1. Se essas alucinações são coisas do pensamento das pessoas,como você explica ver um pessoa que você jamais conheceu, e pior, se esta pessoa que você viu em seu sonho,estivesse morta! Como você explicaria isso ?

    ResponderEliminar
  2. As alucinações não são projetadas a partir do consciente, mas sim do inconsciente.

    A pessoa que "nunca conheceu" provavelmente já tinha sido vista, mas foi esquecida pelo cérebro consciente.

    ResponderEliminar